Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Janeiro, 2013

Cada

E a cada batida
o som é mais alto,
o c(h)oro é grito,
e a voz é calada.

A cada segundo
É um riso alado
um beijo pe(r)dido
E um peito velado.

E a cada suspiro
p'outro lado me viro
e penso mais ainda
na vida que não vinga.

Segredos

Sabe, meu garoto
Vou te contar um segredo
Nada secreto nem sagrado
Só um tanto esquecido, abarrotado.

Se não quer se decepcionar
Basta expectativas não criar!
Parece impossível, eu sei
Mas boa parte delas já eliminei.

Outro segredinho,
E por favor, conte ao vizinho:
Se não se segurar
E expectativa mais uma vez criar

Tenha em mente:
Ninguém é vidente.
Não se chateie se alguém
Não agiu como quis outrem

São coisas da vida, das pessoas
E assim levam-se as coisas:
Às pazes, as boas.




Ps: que bosta, não vou nem reler pra não desistir de postar xD

Chance

Não tenho medo de me jogar de cabeça em tudo o que faço.
Medo de quebrar a cara caso o lago seja raso.

Não tenho medo de vivenciar todas as experiências
Pois todas as experiências, por pior que pareçam, são boas!

Nos fazem mudar, crescer. Por mais que achemos que não
Que tudo continua igual. A mesma merda de sempre.

Mas não! Até a merda muda! Gosto de me dar essa chance
De fazer tudo virar de ponta cabeça.

Me dar a chance de chorar, de rir, de gritar
De sofrer e ser triste, mas também de ser
mais do que estupendamente feliz.

-Mom,

-What, dear?
-Why does it hurt so bad?
-What's the matter, sweetheart? Where did you get hurt?!
-Here. - And she points her chest.
-Oh babe, that is nothing.
-But mom, it won't stop aching!
-Honey, it'll hurt forever. Someday you'll understand, and the pain will become your friend. - she hugs her daughter - you'll find a way get over it. If you don't get over, you'll at least get along. Now take some rest, go out, have some smiles and you'll make it fade away - for a while.

-im.

E talvez ele goste de mim assim.
Doida, leve, agitada e bocuda.

Talvez eu seja diferente das outras
ou não. Mas acho que ele gosta de mim assim.

E se ele não gostar de mim,
assim... acho outro!

Que irá gostar de mim
do início ao fim.

Memória

E quando menos quero contar com a memória
É quando a danada mais cisma em funcionar.

É quando mais ela faz passar imagens boas
Boas e doloridas. Ao menos foram vividas.

Devo pensar pelo lado mais positivo
Melhor ser triste mas um dia ter tido.

Devo acreditar no futuro, no destino
E não deixar a mente cair no desatino.

Saudades

Estou morrendo de saudades de coisas que passei na minha vida. De sentimentos, sejam eles quais forem, bons ou ruins, pois todos me ensinaram coisas. Quero ter de novo aquela sensação do novo. O frio na barriga, a incerteza feliz.

Também sinto falta do que nunca vivi. Não por ter escolhido outro caminho mas apenas por (ainda) não ter tido a oportunidade.

Sinto falta da coragem que nunca tive. Da vontade de mudar e ser melhor que sempre tive. A quero mais, mais forte e mais vívida.

Sinto falta de pessoas que foram parte da minha vida durante muito tempo e hoje nem nos falamos. Sinto falta das pessoas com quem passei pouco tempo, mas conquistaram um carinho muito grande.

Sinto falta de passeios bobos e inesperados em dias de aulas cabuladas. Sinto falta de aprontar. De ser menina, de ser gente de novo. Só criança que é gente.

Sinto falta de cair doente de manha na cama, só pra ter colo e atenção de pai e mãe. E conquistar a invejinha dos irmãos.

Sinto falta de brincar na rua, arrancar p…

Crônica

And he tenderly looks at me. Staring as if I was going to be gone soon.
He cuddles me gently, with his hands around my cheek. I stare back, trembling a little. Hoping that moment was never gone.

I wanted him so hard, so badly, but something always held me back. My lips were longing to his, my arms wanted to be around him. My whole body wanted to get closer to him.

A strange noise scared us: it was the sign for me to go. None of us wanted that, but the time came. As I was leaving, he finally kissed me. That was it. The time stopped for a while. His hands on my hips, grabbing me, not allowing me to leave - I really didn't want that, though. But I did. I didn't want, but I did.

We spent the rest of the morning texting each other. Fell asleep smiling at the phone.

We met again, at his former house. As he was moving, he needed to paint his apartment to return it to the landlord. We spent the whole afternoon paiting, laughting, and talking. As we were done, we sat in his balcony, he…